Servidores participam de formação para enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes

14/11/2018 Foto: Luã Quintão
O curso teve início na última segunda-feira, 12 de novembro, e segue até esta quarta, no auditório do Ministério Público de Aracruz.

O curso teve início na última segunda-feira, 12 de novembro, e segue até esta quarta, no auditório do Ministério Público de Aracruz.

Esta semana um grupo de servidores públicos da PMA está participando de uma formação para enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. O curso teve início na última segunda-feira, 12 de novembro, e segue até esta quarta, no auditório do Ministério Público de Aracruz.

A formação é oferecida por uma instituição social que tem como missão promover e defender os direitos das crianças e dos adolescentes, com foco na questão da violência sexual. Contratada por uma empresa privada do município, a ChildHood Brasil tem como objetivo formar uma rede de profissionais que atuam diretamente com casos de violência.

Para isso foram convidados servidores e servidoras das secretariais de Desenvolvimento Social, Turismo e Cultura, Esporte Lazer e juventude, além do CREAS, CREARA, representantes de escolas da Rede Pública Municipal e Privada, e polícias Civil e Militar.

“Durante esses três dias a gente está capacitando a rede de Aracruz, a partir de um diagnóstico feito aqui no município e os temas em debate são transversais com relação a violência sexual de crianças e adolescentes”, explicou Patrícia Costa, assistente de projetos da ChildHood Brasil.

Violência Sexual contra crianças e adolescentes
De acordo com o site da ChildHood Brasil , a violência sexual pressupõe o abuso do poder em que crianças e adolescentes são usados para gratificação sexual de adultos, sendo induzidos ou forçados a práticas sexuais.

 Essa violação de direitos de crianças e adolescentes interfere diretamente no desenvolvimento da sexualidade saudável e nas dimensões psicossociais da criança e do adolescente, causando danos muitas vezes irreversíveis.

A alegação de consentimento por parte da criança e do adolescente nas eventuais práticas sexuais com adultos deve ser sempre questionada e contextualizada, uma vez que elas/eles são considerados seres humanos em condição peculiar de desenvolvimento, quando a capacidade de autonomia para consentir ou não ainda está em processo de construção.

A violência sexual atinge crianças e adolescentes de todas as idades e classes sociais. É um fenômeno complexo, que tem múltiplas causas. É um conceito mais amplo que abarca dois mais específicos: o abuso sexual e a exploração sexual.

TEXTO: Luã Quintão
E-MAIL: lrangel@aracruz.es.gov.br